O conceito de áreas de conhecimento no Novo Ensino Médio

Sandra Regina Mendes

Resumo


As áreas de conhecimento já figuram no currículo do ensino médio desde as Diretrizes Curriculares, em 1998. Assim, o que de fato é novo em relação as áreas de conhecimento no “novo” ensino médio? Busca-se discutir conceitualmente essa questão, além dos seus objetivos e dimensões teóricas. A metodologia se centra na análise dos documentos oficiais que consubstanciam a reforma, fundamentada nos debates acerca das dimensões de poder que delineiam as políticas educacionais. Concluiu-se que a legislação não oferece bases conceituais, possibilitando desdobramentos equivocados na implementação do currículo.


Palavras-chave


Ensino médio. Reforma do ensimo médio. Áreas de conhecimento. Legislação educacional. Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, Stephen J. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BALL, Stephen J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Revista Currículo sem Fronteiras, [online], v. 1, n. 2, p. 99-116, jul/dez, 2001.

BALL, Stephen J. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. In: BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson (Org.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n. 9.394, de 20 de novembro de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação (CNE)/Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução n. 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação.Conselho Nacional de Educação. Atualização das Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio, observadas as alterações introduzidas na LDB pela Lei n. 13.415/2017. Parecer CNE/CEB n. 3/2018, aprovado em 8/11/2018. Brasilia, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação.Conselho Nacional de Educação (CNE)/Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução n. 2, de 30 de janeiro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação.Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio. Parecer CNE/CEB n. 3/1998, aprovado em 1/6/1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Documento Orientador do Ensino Médio Inovador. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Emenda constitucional nº 59, de 11 de setembro de 2009. Dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e adota outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 12 de nov. 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial, 23 de dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação.Conselho Nacional de Educação.Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução nº4, de 17 de dezembro de 2018. Institui a Base Nacional Curricular na etapa do Ensino Médio (BNCC-EM), como etapa final da Educação Básica, nos termos do artigo 35 da LDB, completando o conjunto constituído pela BNCC da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, com base na resolução CNE/CP nº2/2017, fundamentada no parecer CNE/CP nº 15/2017. Brasília, 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução n. 3, de 26 de junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1998.

BRASIL. Portaria nº 971, de 9/10/2009. Institui o Ensino Médio Inovador. Diário Oficial, Brasília, DF, 13 de out. 2009.

BRASIL. Portaria nº 1.140, de 22 de nov. de 2013. Institui o Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio. Diário Oficial, 9 de dez. de 2013.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Parâmetros Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, 1998.

BRASIL. Congresso Nacional. Projeto de Lei n. 6.840/2013. Disponível em: www. câmara.gov.br. 2013. Acesso em: 20/02/2014.

BRASIL. Medida Provisória MP/746. Brasília , 22 de setembro 2016. Disponível em: www.planalto.gov.br/civil. Acesso em: out/2016.

CIAVATTA, Maria. Trabalho-Educação: a História em processo. In: CIAVATTA, Maria et. al. Historiografia em Trabalho-Educação: como se escreve a história da educação profissional. 1. ed. eletrônica. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 6 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOLLARI, Roberto. Algumas considerações práticas sobre a interdisciplinaridade. In: JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio (org.). Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. 8.ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008. p. 97-110.

FOLLARI, Roberto. Interdisciplina e dialética: sobre um mal-entendido. In: JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio (org.). Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. 8. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2008. p. 127-141.

JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio. Interdisciplina para além da filosofia do sujeito. In: JANTSCH, Ari Paulo; BIANCHETTI, Lucídio (Org.). Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. 8.ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elisabeth. Contribuições de Stephen Ball para o estudo de políticas de currículo. In: BALL, Stephen J. Ball; MAINARDES, Jefferson (org.). Políticas educacionais (questões e dilemas). São Paulo: Editora Cortez, 2011.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr.2006.

MÉSZÁROS, ISTVÁN. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOEHLECKE, Sabrina. O ensino médio e as novas diretrizes curriculares nacionais: entre recorrências e as novas inquietações. Revista Brasileira de Educação, ANPEd, Rio de Janeiro, v. 17, n. 19, p. 39-58, jan-abr 2012.

POPKEWITZ, Thomas S. Reforma Educacional: uma política sociológica, poder e conhecimento em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

RAMOS, Marise Nogueira; FREITAS, Denise de; PIERSON, Helena Campos. Formação de Professores do Ensino Médio. Etapa I- Cadernos IV: áreas de conhecimento e integração curricular. Brasília: Secretaria de Educação Básica (MEC)/ Curitiba: UFPR,Setor de Educação, 2013.

SHIROMA, Eneida Oto; CAMPOS, Roselane Fátima; GARCIA, Rosalba

Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul/dez, 2005.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo de ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, ANPEd, Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, p. 545-554, set/dez. 2008.




DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i29.1077



Indexada em:

Bibliografia Brasileira de Educação (BBE – CIBEC/INEP/MEC).
Latindex – Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal.
Library of Congress (USA).
Rede RVBI - Rede Virtual de Bibliotecas Congresso Nacional.
SEER - Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (IBICT/MCT).
EDUBASE - Base de Dados em Educação da UNICAMP.
Portal de Periódicos Científicos da CAPES.
CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (México)
Dialnet - BNE/UNIRIOJA/Fundación Dialnet (Espanha)
LivRe! (CIN/CNEN)
Diadorim (Ibict/MCTI)
Fundacao Biblioteca Nacional (RJ);
DOAJ - Directory of Open Access Journals (Dinamarca)
IRESIE - Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IISUE/UNAM-México)